“Como criar adolescentes felizes?” é uma pergunta muito comum entre pais de adolescentes. A verdade é que enfrentar a adolescência é passar por uma fase muitas vezes difícil, mas extremamente importante na construção de um adulto saudável.

Os pais anseiam que seus filhos adolescentes sejam confiantes e felizes consigo mesmos, responsáveis ​​com sua saúde, tenham boas habilidades sociais e relacionamentos fortes, sejam bem-sucedidos, entusiasmados com sua educação, carreira e responsáveis com dinheiro.

No entanto, quando a adolescência chega, se deparam com um filho diferente, aparentemente infeliz, revoltado, disperso, recluso, rebelde, preguiçoso ou distante. E a realidade bate à porta: Nem os pais sentem o amor dos seus filhos, nem os filhos se sentem amados pelos seus pais.

A maioria dos pais quer dar, mas os adolescentes simplesmente não sabem como aceitar seus conselhos, apoio, cuidado e sabedoria.

Para serem felizes, os adolescentes precisam se encarregar de suas vidas, aumentar sua confiança, tornar-se bons em se relacionar com pessoas, melhorar seu estilo de vida e seguir seus sonhos. A maioria deles está assustada ou confusa demais para assumir o controle.

Em vez disso, eles experimentam um período confuso e neurótico em sua vida e podem sentir-se profundamente perturbados. Os pais têm tanto medo da adolescência que consideram a frase “adolescente feliz” como um paradoxo.

Mas não é.

O luto pela sua infância

A adolescência é o luto pela infância perdida, uma fase de não pertencer. Aquela pessoa não é mais uma criança, mas também não pode ser considerada um adulto. Um processo silencioso, doloroso, lento e interno de desligamento do mundo infantil.

Luto pela infância

Quando se está na presença de um adolescente devemos pensar dentro dele – da mesma forma que a cada segundo perdemos imperceptivelmente uma célula do nosso corpo – ele perde, a cada segundo, uma célula da sua infância – J.D. Nasio

O adolescente precisará desfazer-se de tudo o que conhecia e será cobrado, cada vez mais e com mais intensidade, a assumir responsabilidades e adquirir autonomia. Vai perder para depois conquistar:

Perder o corpo de criança, a voz de criança e o universo familiar que conhecia.

Conquistar a independência e autonomia, rumo a vida adulta.

Além disso, terá que descobrir uma nova maneira de amar o outro, amar-se a si mesmo e de preservar tudo de bom que já sentiu e viveu, a curiosidade da criança, a energia, o apreço pela vida.

Pais e filhos sofrem um luto silencioso. Realizar o luto significa, na verdade, aprender a amar diferente aquele que perdi. Amar tão intensamente como antes, mas com um amor novo.

Os pais devem aprender (lenta e dolorosamente para a maioria) a desligar-se da criança viva para ligar-se pouco a pouco com a lembrança da infância. Parar de viver a infância que passou, de comparar a criança com o adolescente que está diante dos seus olhos e aceitar o filho adolescente.

Ao insistir em manter viva a criança, os pais contribuem para apagar o adolescente. A aceitação do filho adolescente, da forma que se mostra no presente, é o único caminho para ajudá-lo a resgatar boas lembranças da criança que ele já foi.

Eu preciso de ajuda, mas não sei pedir

Uma das coisas mais difíceis na adolescência é pedir ajuda. Na maioria das vezes, as lutas emocionais que os jovens enfrentam nessa idade os impedem de tratar os adultos em sua vida como recursos.

Se você perguntar a eles o que gostariam de mudar nas suas vidas provavelmente dirão sobre muitas coisas, mas não saberão como fazer isso.  Depois de algum tempo sem  saber “o que” e “como”, acabam frustrados e se sentem impotentes, mas simplesmente não consideram pedir ajuda, não sabem como verbalizar.

adolescente pedindo ajuda

Diante de um jovem violento, pergunte-se sempre qual é a decepção que, em vez de torná-lo triste, gerou ódio. J-D. Nasio

Geralmente os adolescentes passam pelo o que é chamado de neurose de crescimento. Ela é saudável e necessária para a transição até a vida adulta e muitas coisas estão acontecendo ao mesmo tempo nesse período:

  • Corpo em constante mudança (hormonais e libidinais)
  • Fortes exigências sociais (pais, escola, amigos e valores culturais)
  • Exigências pessoais (que o próprio adolescente impõe)

O que justifica a neurose é a incapacidade do adolescente, ainda imaturo e com cérebro em desenvolvimento, de conciliar todas as exigências externas com a sua próprio autocrítica (visão que possui de si mesmo).

É quando os adultos em sua vida têm a responsabilidade de perceber os conflitos e ajudá-los a fazer essa mudança. Quando o adolescente não recebe ajuda, começa a experimentar a solidão, o rancor e a desconfiança em relação aos adultos e a neurose, que antes era considerada saudável, passa a ser nociva.

Uma neurose nociva começa quando o adolescente, sem se aperceber das próprias dores e sem autoconhecimento, assume frequentemente riscos para pôr-se a prova e afirmar-se na busca do seu próprio valor. Em alguns casos, a fúria do adolescente é direcionada a si mesmo: auto-mutilação, piercings em partes delicadas, entre outros. 

Também podemos colocar como forma de sofrimento inconsciente as dependências consideradas lícitas, que são a ciberdependência, considerada uma dependência de comportamento. As mensagens que recebem pela mídia e de outras fontes, como fóruns na internet e sites sociais, apenas os confundem mais. 

Quando crianças e adolescentes se sentem sozinhos a expectativa de melhora é quase nula.

Por isso o conselho é buscar suporte em dois níveis:

1. Se o adulto (pais e cuidadores) sentem-se despreparados, o ideal é procurar o quanto antes ajuda para entender melhor essa fase e enfrentá-la sendo o farol para o adolescente.

2. Se o adolescente já demonstra dificuldade em se conhecer, o ideal é procurar ajuda para que ele adquira a consciência e treine habilidades para passar pela neurose da forma mais saudável possível.

Preservar a adolescência saudável, esse é o caminho

A verdade que muito pais insistem em negligenciar é que os adolescentes não nascem com o entendimento de que têm o poder de mudar sua vida. Eles não são adultos, não estão 100% desenvolvidos e não fazem tudo só para irritar os mais velhos. Mesmo que seus pais plantem esse poder em sua mente desde tenra idade, quando são atingidos por alterações hormonais, espinhas e outras transformações físicas, sentem como se tivessem perdido o controle.

O trabalho com adolescentes, ainda mais nesse mundo líquido, de informações rápidas, deve ser preventivo. Com uma neurose saudável é possível tornar esse adolescente capaz e confiante para enfrentar as exigências e desafios, de modo que ele caminhe com mais felicidade para a vida adulta.

adolescência saudável

Adolescentes não são monstros. São apenas pessoas tentando aprender a fazê-lo entre os adultos do mundo, que provavelmente não têm tanta certeza – Virginia Satir

Se preparar para a adolescência e preparar o adolescente

Quando as pessoas têm clareza sobre o que querem, são capazes de concentrar e alinhar sua energia em relação aos seus objetivos e tomar decisões mais assertivas. É como entrar em uma zona mágica, onde muitas coisas felizes lhes acontecem e, como um efeito cascata, influenciam todos os que os rodeiam. 

Considere o seguinte: quando os filhos são crianças, aprendem com o ambiente e com as pessoas ao seu redor como navegar na vida. Eles desenvolvem certos hábitos e pensamentos que foram úteis no momento em que os aprenderam. Infelizmente, a vida está mudando e evoluindo para sempre, e o que era certo para eles anos atrás não os ajuda mais na adolescência e eles acham difícil navegar na vida sob circunstâncias diferentes.

Imagine seu filho adolescente usando um mapa antigo para encontrar o caminho em uma cidade. As coisas seguiram em frente e é difícil navegar dessa maneira. Mas e se você desse a ele um GPS com atualizações automáticas de mapas? 

Acontece que esses pensamentos antigos se tornaram parte de quem o adolescente é. Manter esses pensamentos o leva a ver o mundo como um lugar difícil, injusto e às vezes cruel, o que dificulta que eles sejam felizes e realizados.  Por isso, no mundo moderno, atualizar o mapa do adolescente nunca foi tão crucial.

O que é necessário trabalhar na adolescência para protegê-la? Trabalhando a consciência dos pais e dos adolescentes.

Em primeiro lugar os pais precisam manter a mente aberta para encontrar informações sólidas e conduzir seu filho adolescente nesse novo universo. Se omitir, se calar, sentir medo e não agir, só vai ajudar a piorar a situação.

O método SER, que trabalha com o desenvolvimento do adolescente saudável, requer a criação de oportunidades para que eles sejam capazes de experimentar, aprender e praticar com maestria as habilidades exigidas nessa fase. 

Como mencionado no Livro Meu Filho Cresceu, e Agora, descobrir que tipo de mãe ou pai você é para o seu filho adolescente fará com que você mantenha (ou resgate) os vínculos nessa fase.

Uma parcela enorme de pais está negando os problemas, dificuldades e conflitos. Assumir as dificuldades e buscar ajuda preventiva é o melhor caminho.

Em segundo lugar os adolescentes precisam aprender ferramentas para descobrir onde estão e para onde querem ir. Identificar a fonte de suas crenças, reconhecer seu impacto em suas vidas, eliminar comportamentos que são “prejudiciais à saúde” ou não são úteis e escolher, em seu lugar, novas crenças que promovam sucesso, abundância, relacionamentos, apoio, amor e boa comunicação e felicidade.

Se a comunicação com o filho adolescente for tranquila, os pais (desde que preparados) podem servir como guias. Caso contrário, buscar ajuda profissional para que o filho possa encontrar as próprias respostas é super indicado.

Vale lembrar que conforme exposto durante o artigo, a neurose de crescimento do adolescente é saudável e necessária. Portanto, buscar ajuda não significa dizer que o filho enfrenta problemas disfuncionais ou graves e sim que você está cuidando para que essa neurose seja enfrentada com todos os recursos que estão à disposição dele.

Como o Coaching Teen pode ajudar os adolescentes

teen coaching

Continuar falando que sabe como educar o seu filho adolescente não liberta você, mas aprisiona – Jacqueline Vilela

O processo de coaching para adolescentes é perfeito para ajudar os jovens a encontrarem forças de dentro e permanecerem fortes e concentrados, mesmo que a vida não esteja acontecendo exatamente da maneira que eles queriam, usando seus próprios desejos como guia. Eles ganham controle sobre sua mente, seu corpo e seu espírito para a vida.

Em encontros com o adolescente, o profissional (chamado coach) vai agir como um parceiro do adolescente que o ajuda a seguir essa jornada da adolescência e guia pelos aprendizados de que precisam para seguir em frente, permanecer na rota certa e alcançar o sucesso e a felicidade.  O coach mostrará ao adolescente como criar novos hábitos, novos pensamentos, novos desejos, novos valores, novas necessidades e uma vida melhor e mais feliz.

É importante frisar que o processo de coaching teen não é para todos os adolescentes. É adequado apenas para adolescentes que passam pela confusão do “ser adolescente” mas ainda não enfrenta disfunções mais sérias como a depressão. Se o seu filho estiver passando por problemas mais sérios, a busca por ajuda especializada é o melhor caminho.

Não acreditamos que os adolescentes precisam ser consertados. Eles precisam de orientação, confiança e capacitação, por isso aprenderão a usar todas as técnicas em si mesmos e conseguirão usar em diversas fases, até mesmo depois de adultos.

Se você é profissional e quer saber mais sobre o coaching teen, clique aqui

Se você é mãe ou pai e quer mais informações sobre o processo de coaching para você ou para o seu filho, clique aqui

Fonte:

Livro Meu Filho Cresceu, e Agora – Jacqueline Vilela

Livro Como agir com um adolescente difícil – J;D Nasio

A adolescência blindadaPowered by Rock Convert